Musgos do Vale da Lua, Chapada dos Veadeiros, Goiás, Brasil

Autores

  • Allan Laid Alkimim Faria Universidade de Brasília, Campus Universitário Darcy Ribeiro, Asa Norte, DF.
  • Tamara Silva Dantas Universidade de Brasília, Campus Universitário Darcy Ribeiro, Asa Norte, DF.
  • Paulo Eduardo Aguiar Saraiva Câmara Universidade de Brasília, Campus Universitário Darcy Ribeiro, Asa Norte, DF.

DOI:

https://doi.org/10.17648/heringeriana.v6i2.26

Palavras-chave:

Cerrado, musgos, Ribeirão São Miguel

Resumo

A Chapada dos Veadeiros é um complexo de terras altas, localizado no Cerrado do estado de Goiás, domínio fitogeográfico com uma notável presença de flora rica e endêmica, que vem sendo reduzido a 113 da vegetação original, ocasionado pela devastação de forma acelerada. O presente trabalho teve como objetivo analisar a composição de musgos de uma área particular denominada Vale da Lua, localizada dentro da chapada no curso do Ribeirão São Miguel, importante sítio estratigráfico, sedimentar e geomorfológico, ampliando o conhecimento e a distribuição das espécies de musgos em matas de galerias do bioma Cerrado. Foram encontradas 33 espécies, divididas em 16 famílias e 23 gêneros. Entre as espécies registradas, 20 espécies são acrocárpicas, 11 pleurocápicas e duas cladocárpicas. É apresentada uma chave para as espécies encontradas no Vale da Lua, distribuição no mundo, no Brasil, assim como preferências de substratos e descrições das espécies.

Biografia do Autor

Allan Laid Alkimim Faria, Universidade de Brasília, Campus Universitário Darcy Ribeiro, Asa Norte, DF.

Departamento de Botânica

Tamara Silva Dantas, Universidade de Brasília, Campus Universitário Darcy Ribeiro, Asa Norte, DF.

Departamento de Botânica

Paulo Eduardo Aguiar Saraiva Câmara, Universidade de Brasília, Campus Universitário Darcy Ribeiro, Asa Norte, DF.

Departamento de Botânica

Downloads

Publicado

2014-10-23

Como Citar

Faria, A. L. A., Dantas, T. S., & Câmara, P. E. A. S. (2014). Musgos do Vale da Lua, Chapada dos Veadeiros, Goiás, Brasil. Heringeriana, 6(2), 9-20. https://doi.org/10.17648/heringeriana.v6i2.26

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.