Sobre a Revista

Foco e Escopo

A Heringeriana publica artigos científicos originais, monografias taxonômicas, checklists comentados, notas científicas e opiniões em diversas áreas de biodiversidade. Todos os tipos de estudos em biodiversidade são considerados, incluindo taxonomia, fisiologia, ecologia e etnobiologia. A Heringeriana foi fundada em 1994, como Boletim do Herbário Ezechias Paulo Heringer e a partir de 2007, mudou seu nome para Heringeriana. Possui Corpo Editorial diverso e conta com a colaboração voluntária de centenas de revisores qualificados. É publicada pelo Jardim Botânico de Brasília e está em processo de adequação dos critérios para indexação em bases de dados nacionais e internacionais.

Para fins legais, deve-se observar que, ao enviar um artigo, os autores concordam com o seguinte:

  • Todos os autores concordam com a sua submissão e o autor correspondente foi autorizado pelos co-autores.
  • Este artigo não foi publicado anteriormente e não está sendo considerado simultaneamente para publicação em outros lugares.
  • Este artigo não viola nenhum direito autoral ou outro direito de propriedade pessoal de qualquer pessoa ou entidade e não contém declarações ilegais de qualquer forma.

Se o manuscrito submetido não seguir estas diretrizes, ele não será processado.

Processo de Avaliação pelos Pares

Os manuscritos submetidos à Heringeriana serão avaliados pelo Corpo Editorial quanto à relevância, originalidade, adequação ao escopo e às normas da Revista. Após a avaliação inicial, o manuscrito será encaminhado ao menos para dois especialistas, preferencialmente com doutorado na área abordada, que avaliarão o manuscrito. O manuscrito será aceito se os dois revisores fornecerem pareceres favoráveis à publicação.

O editor pede que os revisores entreguem a revisão dentro de um mês. No entanto, o processo de revisão pode levar mais tempo, dependendo do tamanho do manuscrito e das respostas dos revisores.

Quando o parecer é favorável, após o processo de revisão, que inclui a incorporação de correções e sugestões dos revisores ao manuscrito, o editor realiza a conferência das correções e a formatação final do manuscrito. O autor para correspondência receberá uma prova eletrônica, enviada através de correio eletrônico, para aprovação.

Após a publicação, os trabalhos estarão disponíveis em formato PDF no site da revista e futuramente em outras bases de dados.

Revisão por pares cegas simples e duplamente cega

A Heringeriana adota, à critério do autor, dois tipos de revisão por pares: cega simples e duplamente cega. Na revisão por pares cega simples, os autores não sabem quem são os revisores, mas estes sabem quem são os autores. Na revisão duplamente cega, nem os autores nem os revisores sabem os nomes uns dos outros.

A revelação da identidade dos revisores poderá ser feita aos autores, ao final do processo, se os mesmos concordaram. Neste caso, os nomes dos revisores também poderão ser incluídos na página de publicação do artigo junto com o nome do editor responsável.

Periodicidade

A revista é atualmente publicada em fluxo contínuo, com um volume anual, em que os artigos vão sendo publicados na medida em que são aceitos.

Política de Acesso Livre

Esta revista oferece acesso livre imediato ao seu conteúdo.Todos os artigos desta revista são publicados sob Licença Pública Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional BY (CC BY 4.0). Essa licença permite que outras pessoas distribuam, remixem, adaptem e desenvolvam o trabalho, mesmo comercialmente, desde que sejam creditadas pela criação original.

Histórico do periódico

Heringeriana é a revista científica do Jardim Botânico de Brasília que publica, semestralmente, artigos científicos originais, monografias taxonômicas, checklists comentados, notas científicas e opiniões em diversas áreas de biodiversidade. Publicado desde 1994, a princípio como "Boletim do Herbário Ezechias Paulo Heringer" e, a partir de 2007, como Revista Heringeriana.

O nome da revista é uma homenagem a Ezechias Paulo Heringer, botânico pioneiro no Distrito Federal que além de propor a criação do Parque Nacional de Brasília, ajudou na implantação do Parque Zoobotânico de Brasília, na criação da Reserva Biológica de Águas Emendadas, Estação Experimental de Agricultura Cabeça-de-Veado, Parque do Gama e o Parque do Guará, que hoje recebe o nome de Parque Ecológico Ezechias Paulo Heringer. Devido ao seu esforço de coleta, também teve seu nome homenageado em 35 espécies novas.