MUDANÇAS TEMPORAIS NA REGENERAÇÃO NATURAL NA MATA DO CAPETINGA, NA FAZENDA ÁGUA LIMPA, DF

Autores

  • Nilton Goulart Departamento de Engenharia Florestal , CP 04357- Universidade de Brasília. CEP 70.919-970.Brasília, DF.
  • Jeanine Maria Felfili Departamento de Engenharia Florestal , CP 04357- Universidade de Brasília. CEP 70.919-970. Brasília, DF.

Resumo

Estudos sobre a regeneração natural são importantes para o conhecimento da dinâmica das Matas de Galeria. Esses ecossistemas são muito importantes para a proteção de cursos d'água, mas estão ameaçados por queimadas. Neste trabalho analisou-se a regeneração natural da Mata do Capetinga (15°56'43”S -47°36'21"W) em 1983, 1986 e 1989. Em 1987 um incêndio provocou clareiras na mata. A amostragem foi sistemática tendo sido utilizadas quatro linhas principais e paralelas entre si, perpendiculares ao leito do córrego com parcelas de 25 m2 que continham outras de 4 m2, totalizando 100 parcelas amostradas de cada tamanho. Nas parcelas maiores, amostraram-se indivíduos maiores que 1 m de altura e menores que 5 cm de diâmetro (juvenis em estabelecimento) e nas parcelas menores, indivíduos com até 1 m de altura (mudas não-estabelecidas), totalizando 100 parcelas em cada categoria. Em 1983, a densidade média das mudas foi de 20.511 ind/ha; em 1986, 13.433 ind/ha; e em 1989, 23.083 ind/ha; já para os juvenis a densidade em 1983, foi de 6049 ind/ha; em 1986, 4012 ind/ha; e em 1989, 3783 ind/ha. No decorrer do tempo, mudas de Copaifera langsdorffii Desf. somavam 2272 ind/ha, 2633 ind/ha, 1166 ind/ha respectivamente, com redução na densidade após o incêndio; juvenis também reduziram de 98 ind/ha, 84 ind/ha e 50 ind/ha respectivamente. Maprounea guianensis Aubl. não ocorreu em 1983, em 1986 a densidade foi de 1366 ind/ha e em 1989, 3527 ind/ha. A densidade de algumas pioneiras como Piptocarpha macropoda (DC.) Baker variou bastante, provavelmente em função de um incêndio.Termos para indexação: sucessão, Mata de Galeria, fogo, dinâmica de populações.Abstract- Studies on natural regeneration are important for understanding gallery forest dynamics. These ecosystems are very important for the protection of water courses but are endangered by fires, clear-cutting and other factors. The objective of this work was to analyze the floristic composition and the structure of the natural regeneration of the Capetinga forest (15°56'43"S-47°36'21"W) in the periods of 1983, 1986 and 1989. In 1987 this forest suffered a severe burn. The sampling was systematic with four lines placed perpendicularly to the main stream. One hundred 5x5 m plots and the same number of 2x2 m were assessed. The individuals from im high to 5 cm diameter were classified as juveniles. All individuals up to 1m high were analysed in the 2x2 m plots and classified as non-established seedlings. An estimate of 20,511 ind/ha were found in 1983 in the seedling category; in 1986; 13,433 ind/ha and in 1989; 23,083 ind/ha. Regarding the juveniles, there were: 6,049 ind/ha in 1983; 4,012 ind/ha in 1986 and 3,783 ind/ha in 1989. Copaifera langsdorffi Desf. had a high density of seedlings in 1983; 2,272 ind/ha; 2.633 ind/ha in 1986 but suffered a considerable decrease in absolute density to 1,166 ind/ha in 1989. The density was low in the juvenile stage, 98 ind/ha in 1983, 84 ind/ha in 1986 and 50 ind/ha in 1989. Maprounea guianensis (Aubl.) was not registered in 1983, but in 1986 appeared with 1,366 ind/ha and in 1989 with 3,527 ind./ha. Density of some pioneer species such us Piptocarpha macropoda (DC.) Baker varied probably due to the fire. Index terms: sucession, gallery forest, fire, population dynamics.nEWTON

Publicado

2018-11-22

Edição

Seção

Artigos